Meu filho tem Autismo

Dedico ao meu filho, Johannes Heinrich, que
tem sido um verdadeiro presente de
Deus para mim, permitindo-me
crescer a cada dia, na busca pelo
decifrar do “enigma autismo

 

Tratamento e comportamento













O Johannes Heinrich foi uma criança que desde 18 meses foi trabalhado, fazia até aos 7 anos de idade entre outras,  aulas de fono, psiquiatria, natação e  terapia comportamental e ocupacional,  tinha o seu dia completo de atividades.

Mais tarde foi feito uma classe especial para ele,  dentro de uma escola normal de crianças, e assim se passaram 3 anos.

Depois fomos para a Europa,  Inglaterra,  antiga Tchecoslováquia e por fim ficamos um tempo na Alemanha, como já foi tido na página anterior.

Aos 24 anos, um rapaz lindíssimo, tem um comportamento diferenciado,  faz natação – aula de pintura - fonoaudiologia (aguardando em breve aulas de equoterapia), escola especializada - presente em todos os lugares comigo.  Gostamos muito de viajar.

Hoje, o Johannes Heinrich não tem o olhar perdido, não é ausente as coisas ao seu redor, tem um grande entendimento da AVD (atividades da vida diária), e uma certa independência no seu dia a dia em casa.  Apesar dele não ter a linguagem,  é um rapaz calmo,  temos uma cumplicidade um com o outro,  e apesar de não existir cura para o autista conforme os especialistas, eu Lúcia Guedes  mãe e cristã, eu creio que Deus pode fazer tudo.  Outra coisa importante é deixar de lado o termo autista e dizer" meu filho tem autismo.”

Para o meu filho chegar a esse estagio de comportamento, eu tive que ir a luta, sair a procura de respostas para uma síndrome que, ainda hoje, apesar de muitas pesquisas e divulgação, ainda é cheia de incertezas e duvidas. (principalmente naquela época). Por conviver, educar e  acompanhar o desenvolvimento de uma criança com esta síndrome, (o meu filho amado, Johannes Heinrich) fui estudar, pesquisar no Brasil e Exterior e ainda continuo estudando, pois é um campo vasto....para lhe proporcionar a cada dia uma vida melhor e maior independência.  Quero ressaltar que há 24 anos atrás, era um tiro no escuro, e hoje apesar da complexidade desta síndrome, já temos alguns  profissionais e  médicos  que se dedicam a se capacitar, aperfeiçoar e pesquisar mecanismo para dar suporte a pessoa com autismo, melhorando consideravelmente sua condição de vida na sociedade e em seu convívio familiar, através de terapias e métodos especializados.

Nota; para os pais! quanto mais cedo o seu filho for diagnosticado,  maior condições ele terá para uma vida de qualidade,  faça antes dos 36 meses de vida.